sexta-feira, 19 de junho de 2009

.ultima carta.

Eu vi o tempo que eu perdi pela janela do ônibus voltando pra casa. Quantas bocas deixei de beijar, quantas pessoas deixe de amar, por está presa a você. Tanto tempo desperdicei, tantas vezes me calei, só pra te ouvir falar. Mentiras, vai ver eu me apaixonei por uma delas... Eram tantas! Talvez esse amor seja de mentira e isso tudo que eu escrevo e sinto durante esse tempo todo tenha se tornado tão miserável que eu tenho que continuar mentindo pra sustentar as mentiras do passado, do nosso passado. É só você parar pra pensar, não foi você quem me ligou naquela madrugada que eu não consegui dormir, não foi você quem falou o que eu precisava ouvir, não foi você quem me abraçou quando eu precisei de conforto e nem foi você quem me amou quando eu mais precisei... Se eu fosse falar de tudo que você poderia ter sido pra mim e não foi, isso passaria a ser um livro e talvez você nem se interessasse em ler. É por isso que eu preferir resumir tudo nessa ultima carta que eu escrevo pra você!

13 comentários:

JoanaPessoa disse...

(yn)
:****

Mônica Mondo disse...

Quando escrevi minha última carta, fiz um paragrafo pra contar que aquela era só mais uma mentira que me ajudaria por algumas horas a disfarçar as outras todas. a verdade e que sigo escrevendo todos os dias, em linhas imaginarias, o que ela se recusa a ler.

tiu disse...

amar é bom, mas a dor é inevitavel.

bjÔ

/xisduaslinhas disse...

como eu escrevi uma vez: "escrevo já sabendo que não conseguirei, ent~so desconsidere." estamos juntas (pode-se duzer assim) a 3 anos.

LeLe disse...

Fods =/

Fik bem ai...
Paz, Bem e Luz!

=*

maria lara disse...

caraalho :O
muito bom mesmo!
esse texto coincidiu muito cmg

:*

Valessa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Valessa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Valessa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Eu disse...

eu já "escrivi" uma última carta.
peguei uma folha branca dobrei e coloquei dentro de um envelope azul, as únicas coisas escritas eram o meu nome e o dela.Pedi para ela só abrir quando estivesse em casa. Não adiantava mais escrever, não naquele momento, pq ela parecia não ler, pois não mudava em nada, se lia nem parecia. essa última carta foi só p dá um fim, p mim mesma... Adorei seus texto!E suas fotos tbm!

tay disse...

f*da o post.
"Se tua maior brincadeira é rasgar-me, que seja até o fim.
E que eu possa ver no teu sorriso a delícia do gozo." me fez lembrar...
parabéns pelo blog.

Nós duas disse...

Parabéns...
escreves muito bem, consigo senti junto contigo toda a emoção contida nas suas palavras.
"O poeta é um fingidor, fingi tão completamente, que chega a fingir que é dor a dor que deveras sente."
MARA

Tâmara disse...

clara, você arrasa.